segunda-feira, 11 de junho de 2018

ESPREITAR A ESCOLA

Representação da tragédia grega "O Rei Édipo" de Sófocles, que culminou com a dança Sirtaki, mais conhecida como "Dança Zorba".





terça-feira, 5 de junho de 2018

ESPREITAR A ESCOLA

BESLA

Apreciações críticas
Pierrot e Arlequim – Almada Negreiros
Sabem quantas pessoas tem havido desde o princípio do mundo até hoje? Duas. Desde o princípio do mundo até hoje não houve mais do que duas pessoas: uma chama-se a humanidade e a outra o indivíduo. Uma é toda a gente e a outra, uma pessoa só.
Duas?
Duas.
A mímica é uma arte só de gestos, e estes querem copiar os próprios gestos da vida.
Entre o que a mímica desencantou na vida e veio depois imitar publicamente à luz artificial está o enigma do Pierrot, personagem cuja história é igual ao figurino.
O Pierrot, todo branco, de roupas largas e quase sem feitio de vestirem um corpo humano, uma blusa pouco mais ou menos, umas calças pouco mais ou menos, e as mangas muito compridas não sabem o tamanho dos braços e passam para além das mãos, as quais não necessitam para nada de estar livres, porque o não são.
Pois se não podem agarrar o que desejam!
Tudo é branco, o fato como a própria cara, e a não ser o negro da calote e dos enormes botões fingidos que não servem para abotoar coisa alguma, nenhuma cor da realidade se digna a convencer-nos de que há efectivamente uma vida ali naquele retalho branco.
E Arlequim? Com o seu maillot esticado por cima da pele, mostrando o feitio do corpo, a inquietação dos nervos, a impaciência dos músculos e o frenesim animal. O chapéu é de feltro negro mas posto com intenção. Anda sempre com uma espécie de bengala que é ao mesmo tempo o seu amigo inseparável e a sua varinha de condão, e serve também para experimentar a valentia de todas as coisas, isto é, se vão abaixo logo à primeira ou se é necessário puxar-lhe ainda com mais ganas.
É difícil que Arlequim já alguma vez tenha passado despercebido em qualquer parte.
O seu maillot é feito de trinta e sete mil pedaços de trinta e sete mil cores e que são precisamente as trinta e sete mil histórias de Arlequim, as quais todas juntas não chegam para fazer uma só.
Pierrot anda sempre metido consigo e não é fácil saber quando está acordado ou a dormir.
Pelo contrário, Arlequim não pára nem um momento, não pode estar quieto, e sem dúvida porque não anda satisfeito. Está sempre a magicar ideias e sempre com experimentações, e não são ideias o que falta ao Arlequim.
Pierrot é a contemplação do próprio Desejo o qual se desenvolve, se purifica e torna-se Perfeição. É o ideal tornado Perfeição no próprio Desejo.
Arlequim é a passagem autêntica do corpo por esta vida.

Capitães da Areia – Jorge Amado

No início da obra há uma série de reportagens fictícias que explicam a existência de um grupo de menores abandonados e marginalizados que aterrorizam a cidade de Salvador e é conhecido por Capitães da Areia. Após esta introdução, inicia-se a narrativa que gira em torno das peripécias desse grupo que sobrevive basicamente de furtos. Porém, apesar de certa linearidade, a história é contada em função dos destinos de cada integrante do grupo de forma a montar um quebra-cabeças maior.

O chefe do grupo Capitães da Areia é um jovem chamado Pedro Bala, um menino loiro e filho de um grevista morto no cais. Tinha ido parar à rua por volta dos cinco anos de idade e desde jovem já se mostrava corajoso e o mais capacitado a se tornar o líder das crianças. O grupo ocupava uma cabana abandonada na praia e era formado por mais de cinquenta crianças, sendo que algumas vão sendo apresentadas aos poucos durante a narrativa.

Uma delas era o Professor, que sabia ler e passava as noites a ler livros à luz de vela. Algumas vezes ele lia as histórias para os outros do grupo ou então criava as suas próprias narrativas a partir do que lera. Outra personagem que compõe o grupo é Gato, conhecido assim por ser tido como um dos mais bonitos ali. Quando entrou no grupo, um dos meninos tentou relacionar-se com ele, mas Gato não quis. Sendo muito vaidoso, tentava andar arranjado na medida do possível e de acordo com a sua realidade de menino de rua. Gato apaixona-se por uma prostituta chamada Dalva, que irá ter um romance com o jovem após ser abandonada pelo seu amante.

Outra personagem que merece destaque é Sem Pernas, um menino que uma vez foi apanhado pela polícia e por isso passou a ser um jovem amargo e que odiava a tudo. Por ser coxo, às vezes era usado nos assaltos a casas: ele batia às portas das casas dizendo que era um órfão aleijado e pedia ajuda. Ganhando confiança dos moradores, ele descobria o que havia de valor na casa e depois relatava aos Capitães da Areia.

Por fim, outras personagens são: Volta Seca, que se dizia afilhado de Lampião e sonhava integrar o bando desse; Pirulito, um menino de forte convicção religiosa e que irá abandonar o roubo; Boa Vida, jovem espertalhão e que se contenta com pouco; e o negro João Grande, que tinha o respeito dos demais do grupo pela sua coragem e tamanho. Ao lado destas personagens centrais que formam o grupo, encontra-se ainda o Padre José Pedro, que era amigo dos meninos e procurava cuidar deles da forma que considerava mais correta, e a mãe-de-santo D. Aninha.

Em certo momento da narrativa, a varíola passa a assustar os moradores da cidade. Um dos meninos do grupo contrai a doença e é internado. Nessa altura, surge Dora e Zé Fuinha, cuja mãe também morreu por causa da varíola, e eles passam a integrar o bando. No início, alguns jovens tentaram relacionar-se com Dora, mas são impedidos por Pedro Bala, Professor e João Grande. Porém, Dora e Pedro Bala passam a ter um certo envolvimento amoroso.

Certo dia, alguns dos meninos foram apanhados num assalto, mas foram protegidos por Pedro Bala e apenas ele e Dora foram levados presos. Ela foi levada para um orfanato, enquanto Pedro Bala foi torturado pela polícia e mantido preso numa solitária durante oito dias. Algum tempo depois, os meninos conseguem ajudar Pedro a livrar-se do reformatório e partem para libertar Dora também. Porém, encontram-na muito doente e ela passa apenas mais alguns dias com os meninos antes de morrer.

Após a morte de Dora, o grupo vai sofrendo algumas alterações. Pirulito parte com o Padre José Pedro para trabalhar com ele na igreja, Sem Pernas acaba por morrer numa fuga à polícia e Gato vai para Ilhéus com Dalva, de quem é proxeneta. Já o Professor conseguiu entrar em contato com um homem que lhe oferecera ajuda e tornou-se pintor no Rio de Janeiro, retratando as crianças baianas. Por fim, Volta Seca conseguiu tornar-se um cangaceiro do seu “padrinho” Lampião. Após cometer muitas mortes e crimes, a polícia prende Volta Seca e ele é condenado.

Cada vez mais fascinado com as histórias do seu pai sindicalista que morrera numa greve, Pedro Bala passa a envolver-se em greves e lutas a favor do povo. Assim, movido por ideais comunistas e revolucionários, Pedro Bala passa o comando do bando a outro menino e parte para se tornar um militante proletário.

1984- George Orwell

Winston, herói de 1984, último romance de George Orwell, vive aprisionado na engrenagem totalitária de uma sociedade completamente dominada pelo Estado, onde tudo é feito coletivamente, mas cada qual vive sozinho. Ninguém escapa à vigilância do Grande Irmão, a mais famosa personificação literária de um poder cínico e cruel ao infinito, além de vazio de sentido histórico. De fato, a ideologia do Partido dominante em Oceânia não visa nada de coisa alguma para ninguém, no presente ou no futuro. O'Brien, hierarca do Partido, é quem explica a Winston que "só nos interessa o poder em si. Nem riqueza, nem luxo, nem vida longa, nem felicidade: só o poder pelo poder, poder puro".
Quando foi publicada em 1949, poucos meses antes da morte do autor, esta assustadora distopia datada de forma arbitrária num futuro perigosamente próximo logo experimentaria um imenso sucesso de público. Os seus principais ingredientes - um homem sozinho desafiando uma tremenda ditadura; sexo furtivo e libertador; horrores letais - atraíram leitores de todas as idades, à esquerda e à direita do espectro político, com maior ou menor grau de instrução. À parte isso, a escrita translúcida de George Orwell, as personagens fortes, traçados a carvão por um vigoroso desenhista de personalidades, a trama seca e crua e o tom de sátira sombria garantiram a entrada precoce de 1984 no restrito panteão dos grandes clássicos modernos.
Algumas das ideias centrais do livro dão muito o que pensar até hoje, como a contraditória Novafala imposta pelo Partido para renomear as coisas, as instituições e o próprio mundo, manipulando ao infinito a realidade. Afinal, quem não conhece hoje em dia "ministérios da defesa" dedicados a promover ataques bélicos a outros países, da mesma forma que, no livro de Orwell, o "Ministério do Amor" é o local onde Winston será submetido às mais bárbaras torturas nas mãos do seu suposto amigo O'Brien.
Muitos vêem 1984 como uma crítica devastadora aos belicosos totalitarismos nazifascistas da Europa, de cujos terríveis crimes o mundo ainda tentava recuperar quando o livro veio a lume. Nos Estados Unidos, foi visto como uma fantasia de horror quase cómico voltada contra o comunismo da hoje extinta União Soviética, então sob o comando de Estaline e do seu Partido único e inquestionável. No entanto, superando todas as conjunturas históricas - e até mesmo a data futurista do título -, a obra magistral de George Orwell ainda se impõe como uma poderosa reflexão ficcional sobre os excessos delirantes, mas perfeitamente possíveis, de qualquer forma de poder incontestado, seja onde for.

Folhas Caídas –Almeida Garrett
«Folhas Caídas» é uma colectânea de poesia lírica de Almeida Garrett e foi publicado sob anonimato. Pensa-se que Garrett receava o escândalo, pois grande parte do livro é a expressão literária do seu romance com a Viscondessa da Luz. O autor começa a obra por uma advertência ao leitor apresentando o poeta como um ser incompreendido e marginalizado. As Folhas Caídas representam o estado de alma do poeta.
Curiosidades:
Folhas caídas foi o último livro de Almeida Garrett a ser publicado e sob anonimato. É considerado o mais importante.

Uma cana de pesca para o meu avô – Gao Xianjiang
Uma Cana de Pesca para o Meu Avô, é uma colectânea de contos a transbordar de simplicidade, cultura oriental e poesia.
Ao longo dos cinco contos que compõem este pequeno livro, o escritor dá-nos a conhecer o amor, a amizade, a morte, a saudade e a vida.

No primeiro conto, O Templo, intrometemo-nos na lua-de-mel de um casal jovem que transmite uma tal serenidade na forma de se amarem e de estarem juntos, não só como casal, mas também como amigos e companheiros que são, que só podemos sorrir durante a sua leitura.

No segundo conto, O Acidente, passamos da vida e do amor para a morte e um outro tipo de amor. Neste conto, um homem é atropelado por um autocarro e morre. No local do acidente junta-se uma multidão perplexa e cheia de opiniões, como só este tipo de desgraças consegue juntar. O fascínio que todos acabamos por sentir, de uma forma ou de outra, por situações como esta é estranhíssimo, inexplicável e, neste caso inconsequente, porque passadas apenas algumas horas após o acidente, já todos seguiram com as suas vidas e no local do acidente já nada nem ninguém recorda a vida que ali se perdeu.

O terceiro conto, A Cãibra, traz o tema do mar, que se repete nos contos que se seguem. Um rapaz nada no mar e sente uma cãibra, aflito para regressar a terra firme deseja que a rapariga que estava a tentar impressionar o tivesse visto entrar no mar e se aperceba da sua situação.

No quarto conto, Num Parque, conhecemos um rapaz e uma rapariga que se reencontram ao fim de alguns anos. No passado gostaram um do outro mas nunca deram o passo que levaria a relação mais além. A vida separa-os e, agora que se voltaram a encontrar, aquilo que sentiam um pelo outro, embora intacto já não faz muito sentido. Ao longe, no mesmo parque, observam uma rapariga que chora. Não a tentam consolar porque de nada servirá, a dor é algo que faz parte da vida e da qual não se consegue fugir.

O conto que dá nome ao livro, Uma Cana de Pesca para o Meu Avô, é o mais extenso e aquele em que a escrita de Gao Xingjian se torna mais apelativa e imaginativa. Um conto com um cheirinho oriental e muito bom de se ler, cujo título resume bem aquilo de que trata. Um homem jovem compra uma cana de pesca para o avô que não vê há muitos anos e de quem sente muita falta. O conto narra a infância deste homem junto do avô que lhe ensinou tanto. Uma história de saudade, de esquecimento e lembrança.

O último conto, intitulado Instantâneos, não é bem um conto, mas sim, como o próprio nome indica, instantâneos. A narração de alguns instantes nas vidas de várias personagens sendo possível perceber um fio condutor que os liga uns aos outros. O mar volta a ser uma referência importante. Gostei bastante destes Instantâneos.

O pintor debaixo do lava-loiças- Afonso Cruz
A liberdade, muitas vezes, acaba por sobreviver graças a espaços tão apertados quanto o lava-loiças de um fotógrafo. Esta é a história, baseada num episódio real (passado com os avós do autor), de um pintor eslovaco que nasceu no final do século XIX, no império Austro- Húngaro, que emigrou para os EUA e voltou a Bratislava e que, por causa do nazismo, teve de fugir para debaixo de um lava-loiças.
Este livro é tão pequenino e ainda assim contém tantos mundos dentro dele. Não contém futilidades ou redundâncias. Cada página, cada linha, contém em si a linha condutora perfeita para avançar a bom ritmo, a bom conteúdo, a um estremecimento de temor pelo nosso protagonista, mas sempre com uma grande dose de carinho e admiração. E depois existe a questão das emoções por vezes abordada de forma mais calorosa, como a forma que Jozef via a relação entre os seus pais, e outra mais distante, a forma como ele mesmo descobria as suas primeiras emoções perante os outros.
Acima de tudo, acho que a mensagem principal é de coragem. Não só dos antepassados de Afonso Cruz que acolheram este pintor, mas dele mesmo, a cada passo que assumia dar. Deixei-vos com apenas algumas das citações da primeira metade do livro, mas acreditem que há muito mais. Há toda uma exploração de sonhos, desilusões, lutas, conquistas, redescobertas, confrontos, tudo, tudo o que de mais humano cada um de nós pode ter.

Poesia Completa – António Gedeão
Pseudónimo poético do cientista, historiador e humanista português (1906-1997).
O volume apresenta a obra literára completa de António Gedeão (pseudónimo literário de Rómulo de Carvalho), incluindo inéditos poemas e narrativas da infância e da juventude, e a correspondência com Jorge de Sena. Com uma nota introdutória da escritora Natália Nunes, viúva do poeta, a publicação continua com um ensaio de Jorge de Sena sobre a poesia de Gedeão, a que se seguem os seus primeiros quatro livros - 'Movimento Perpétuo', 'Teatro do Mundo', 'Máquina de Fogo' e 'Linhas de Força'. Depois temos 'Quatro Poemas de Gaveta', um 'Soneto', os livros 'Poemas Póstumos' e 'Novos Poemas Póstumos', as cartas a Jorge de Sena, as narrativas 'A Poltrona' e 'Outras Novelas', duas peças de teatro e seis ensaios literários. No final, os inéditos de poesia, narrativa e teatro, escritos na infância e juventude.



“O Gigante Enterrado”


A obra que eu escolhi para apresentar oralmente à turma é da autoria de Kazuo Ishiguro , um escritor japonese que foi o prémio nobel da literatura em 2017 .As razões   que levaram me a escolher esta obra  em particular deve -se os seguintes  factos : ao facto de já ter lido a obra ; a sua in textualidade com o conto “George” de Maria Judite de Carvalho  ,conteúdo lecionado este ano  ; e  ao facto da obra nos causa um efeito similar ao câncer  que nos agarra a cabeça provocando um continuo e desgastante processo de reflexão.
A vontade insaciada de Gi , personagem de “George”, de aventura se pelo mundo à dentro é facilmente explicado pela essa teoria :MALA. Mas contraditoriamente a Gi ,as personagens principais de Kazuo eram idosos . Axl e beatriz , tinham um vida concluída e não apresentavam qualquer motivo para se aventuram pelo o mundo a não ser o seu filho que não a muito não lhes falavam e que cujo o motivo do seu afastamento não era lembrado pelo casal. A obra é muito extensa por isso vou resumi de uma maneira pouca apelativa : existe um dragão cujo o bafo criou uma névoa que provoca a perda de memorias as pessoas da Inglaterra medieval . Quando se chega um idade muito tenra as pessoas são convidas a irem para uma ilha onde só existe paz e descanso , mas para la chegarem tem de ir num barco onde o barqueiro faz uma série de perguntas acerca da força do amor do casal . Se o amor for forte o casal pode viver em conjunto nesta ilha senão eles irão viver separados. Embora não seja o principal motivo a ida para a ilha é esse o desfecho.
Quando estava a procura de outras opiniões acerca do livro  que pudesse suplementar a minha ideia inicial, pude reparar que muita coisa tinham me escapado e que o lindo desfecho da obra ,que é  tão brilhante como uma sifónia de Bach tocadas pelo um pianista sem mão , foi me passada ao lado . Devo vos confessar que empolgação e a excitação apoderam-se do meu corpo fazendo que as últimas paginas tenham sido lidas como quem ler um anúncio publicitário , retendo só o essencial . Depois de entrar num modo de leitura corrida deparei me com o virar de um página em branco e não pude acreditar que tinha chegado ao fim da obra. Faltava me saber tantas coisas acerca das personagens que ate então tinha criado um laço , faltava me saber se Axl e Beatrix iam ficar juntos na ilha ?  porque motivo o barqueiro não levou os de uma vez só ? , Porque motivo o filho deles não apareceu  no final .Porque motivo o guerreiro matou Sr greway ?Havia tanta coisa … Foi assim que este génio me fez pensar ate perde o sono .Eram tudo metáforas …do inicio ate ao fim … Para que não é fã de livros de ficção que envolvem dragões e criaturas irreais, perdem o gigantesco livro que é  o “Gigante enterrado “ que não nos sai da cabeça e que cujo as metáforas ainda estou desvendar. Para concluir devo vos dizer que precisaria de uma hora com este autor para perguntar todas as perguntas que ainda tenho.































segunda-feira, 4 de junho de 2018


COMEMORAÇÃO  SEMANAL DAS LETRAS GREGAS

Os alunos de grego em parceria com o Prof. Luís Reis concluíram o seu trabalho sobre as letras do alfabeto grego.


segunda-feira, 28 de maio de 2018









O Ano da Morte de Ricardo Reis
Encontrando-se, pela primeira vez, dentro das obras de leitura e exploração obrigatória no programa de Português do Ensino Secundário, “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, de José Saramago foi alvo de uma parceira entre o Departamento de Português e a Biblioteca da ESLA. Numa actividade de apoio ao currículo, uma das vertentes da sua acção, durante 35 minutos foi feita uma recapitulação da análise da obra, tocando os aspectos essenciais presentes no programa curricular da disciplina em turmas do 12º ano, aproveitando-se para incidir em aspectos que os alunos consideraram mais desafiantes, proporcionando uma maior segurança na sua preparação para os momentos de avaliação oral e escrita.
Agradecemos às turmas e às docentes colaborantes.






Khan Academy/Fundação PT

No passado dia 9 de maio, decorreu na Biblioteca da ESLA uma formação sobre a Khan Academy. Uma parceria entre a Rede de Bibliotecas Escolares, a Fundação PT e a Khan Academy destinava-se a professores de Matemática, de Inclusão e Bibliotecários.
A missão da Khan Academy é proporcionar uma educação gratuita e de alta qualidade a qualquer pessoa, esteja onde estiver. Esta formação incidiu sobre a exploração do site da Khan Academy dedicado à Matemática que proporciona uma experiência personalizada no mundo da Matemática. As missões permitem ao aluno receber sugestões do que aprender a seguir, relembram-no do que aprendeu e guardam o seu progresso.
Disponível em https://pt-pt.khanacademy.org/math, teve como formadora a técnica Susana Colaço, da Fundação PT, a quem agradecemos a inestimável colaboração.