quarta-feira, 30 de abril de 2014

121 mil alunos realizam hoje teste diagnóstico de inglês

por Lusa, publicado por Luís Manuel Cabral
121 mil alunos realizam hoje teste diagnóstico de inglês
Fotografia © Rodrigo Cabrita - Global Imagens
Cerca de 121 mil estudantes portugueses realizam hoje à tarde a componente escrita do teste de diagnóstico de inglês, certificado pela Universidade de Cambridge e obrigatório para os alunos do 9.º ano.
Além dos estudantes do 9.º ano, os alunos entre os 11 aos 17 anos podiam inscrever-se para fazer o "Key for School Portugal". Muitos fizeram-no e hoje são 121 mil os estudantes que realizam o teste, depois de várias polémicas que envolveram a prova certificada pelo Cambridge English Language Assessment, organismo que pertence à Universidade de Cambridge.
As críticas começaram quando foi conhecida a decisão do Ministério da Educação e Ciência (MEC) em escolher aquela organização para realizar um teste de diagnóstico nas escolas públicas.
O pagamento dos certificados de habilitação, o baixo nível de exigência da prova tendo em conta o nível de conhecimento dos examinandos, a dificuldade em recrutar professores para fiscalizar e corrigir a prova foram algumas das críticas.
Esta semana, a Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE) voltou a falar em "falta de igualdade de oportunidades para todos os alunos", uma vez que o certificado do teste tem de ser pago.
"Só pode obter o certificado que este exame proporciona quem pagar o respetivo certificado e hoje mais do que nunca muitas das famílias não podem suportar este custo e estamos a falar de uma prova realizada numa escola pública, numa escola servido pelos serviços do estado que cada vez mais parece servir apenas os interesses de quem pode", criticou a CNIPE.

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=3836965
ESLA

25 de abril  em imagens na biblioteca





quinta-feira, 24 de abril de 2014


  

   

  




REVOLUÇÃO

"Nas revoluções há duas espécies de homens: os que as fazem e os que delas aproveitam."Autor - Bonaparte , Napoleão

"A única revolução realmente digna de tal nome seria a revolução da paz, aquela que transformaria o homem treinado para a guerra em homem educado para a paz porque pela paz haveria sido educado. Essa, sim, seria a grande revolução mental, e portanto cultural, da Humanidade. Esse seria, finalmente, o tão falado homem novo."Fonte - Diário de Notícias (2009)Autor - Saramago , José


"Todas as revoluções se evaporam e deixam atrás de si apenas o limo de uma nova burocracia."Autor - Kafka , Franz

"Em tempo de revolução, cuidado com a primeira cabeça que rola. Ela abre o apetite ao povo."Autor - Hugo , Victor

"É um argumento dos aristocratas, esse dos crimes que uma revolução implica. Eles esquecem-se sempre dos que se cometiam em silêncio antes da revolução."Autor - Stendhal

"Eu revolto-me, logo existo."Autor - Camus , Albert

"Hoje vivemos na sequência de uma revolução conseguida sem sangue, que nos abriu caminhos de liberdade. Para que os possamos percorrer é indispensável o respeito absoluto das liberdades públicas e dos direitos cívicos, que vamos vendo infelizmente postos em causa."Fonte - Comício (1975)Autor - Sá Carneiro , Francisco

"Quando a água começa a ferver é uma estupidez tentar desligar o calor."Autor - Mandela , Nelson

"É preferível morrer pelo fogo, em combate, a morrer em casa, pela fome."Autor - Castro , Fidel

"O mundo só poderá ser salvo, caso o possa ser, pelos insubmissos."Autor - Gide , André

"Apenas quando somos instruídos pela realidade é que podemos mudá-la."Autor - Brecht , Bertolt

"A revolução, se quiser resistir, deve permanecer revolução. Se se transforma em governo, já está falida... Os lugares que deixaram de ter uma revolução permanente recuperaram a tirania."Fonte - Aprire il fuocoAutor - Bianciardi , L.

"O 25 de Abril foi, para todos nós, o fim da ditadura. Os heróicos militares que prepararam e executaram a revolta realizaram um acto de libertação de si mesmos, mas consigo mesmos quiseram libertar Portugal inteiro."Fonte - Comício (1975)Autor - Sá Carneiro , Francisco

"As revoluções são a locomotiva da história."Autor - Marx , Karl

"As revoluções duram semanas, anos; depois, durante dezenas e centenas de anos, adora-se, como algo de sagrado, esse espírito de mediocridade que as suscitou."Fonte - Doutor JivagoAutor - Pasternak , Boris

"As revoluções, como os vulcões, têm os seus dias de chamas e os seus anos de fumaça."Autor - Hugo , Victor

"Num Estado revolucionário, há duas classes: os suspeitos e os patriotas."Autor - Bonaparte , Napoleão

"Os espíritos de primeira ordem, que produzem as revoluções, desaparecem; os espíritos de segunda ordem, que tiram proveito delas, permanecem."Autor - Chateaubriand , François

"Se você pegar no mais ardente dos revolucionários, e der poder absoluto a ele, dentro de um ano ele será pior do que o próprio czar."Autor - Bakunine , Mikhail

"A verdadeira revolução acontece quando mudam os papéis e não apenas os autores."Autor - Cesbron , Gilbert

"Pensa-se hoje na revolução, não como maneira de se solucionarem problemas postos pela actualidade, mas como um milagre que nos dispensa de resolver problemas."Autor - Weil , Simone

"As grandes revoluções vitoriosas, fazendo desaparecer as causas que as haviam originado, tornam-se desta forma incompreensíveis graças aos seus próprios êxitos."Autor - Tocqueville , Charles

"As revoluções só têm geralmente como resultado imediato uma mudança de lugar da servidão."Autor - Le Bon , Gustave

"Por meio de uma revolução poderá talvez levar-se a cabo a queda do despotismo pessoal e da opressão gananciosa ou dominadora, mas nunca uma verdadeira reforma do modo de pensar."Fonte - Resposta à Pergunta: Que é o Iluminismo?Autor - Kant , Emmanuel

"A única revolução definitiva é a de despojar-se cada um das propriedades que o limitam e acabarão por o destruir, propriedade de coisas, propriedade de gente, propriedade de si próprio."Fonte - EspólioAutor - Silva , Agostinho

"Todos aqueles que tornam as revoluções pacíficas impossíveis tornarão inevitáveis as revoluções violentas."Fonte - Discurso (1962)Autor - Kennedy , John

"Os salões e as academias matam mais revolucionários do que as prisões ou os canhões."Fonte - O Leão EscarlateAutor - Morand , Paul

"Quanto mais os fenómenos históricos são vistos de perto, mais se percebe que as revoluções sempre foram feitas pela burguesia ou por parte dela. O povo é bom apenas para fazer 'jacqueries' que não concluem."Fonte - Pensieri di un libertinoAutor - Cajumi , A.

"A plebe apenas pode fazer tumultos. Para fazer uma revolução, é preciso o povo."Autor - Hugo , Victor

"Sendo assim, as revoluções não concernem a pequenas questões, mas nascem de pequenas questões e põem em jogo grandes questões."Fonte - PolíticaAutor - Aristóteles

"O mundo está cheio de gente com qualidades naturais de liderança. Os líderes tradicionais, que conduziram a luta pela independência do século XVII, eram homens assim. Mas os tempos mudaram, e a educação tornou-se uma arma muito poderosa no combate para produzir pessoas evoluídas."Fonte - Carta a Makhi Dalasile, 1989Autor - Mandela , Nelson
(...)
http://www.citador.pt/frases/citacoes/t/revolucao/40

Agostinho SilvaAgostinho da SilvaPortugal
[Wikipedia]
13 Fev 1906 // 3 Abr 1994Filósofo/Poeta/Ensaísta
  
  
RevoluçãoPena que as revoluções 
não as façam os tiranos 
se fariam bem em ordem 
durariam menos anos 

liberdade sairia 
como verba de orçamento 
e se houvesse qualquer saldo 
se inventava suplemento 

pagamento em dia certo 
daria para isto aquilo 
o que sobrasse guardado 
de todo o assalto a silo 

mas o que falta aos tiranos 
é só imaginação 
e o jeito na circunstância 
é mesmo a revolução. 

Agostinho da Silva, in 'Poemas'



MENSAGEM

Passados 40 anos depois da madrugada que deu origem a “o dia inicial inteiro e
limpo/onde emergimos da noite e do silêncio/e livres habitamos a substância do
tempo” qual o tempo que hoje nos é dado?
Cada dia que passa, assistimos à destruição do positivo que foi construído, em
resultado da acção libertadora de há 40 anos!
O país está vendido, em grande parte e a pataco, ao estrangeiro!
A emigração de muitos portugueses consuma-se, levando consigo muito do saber e
da capacidade indispensáveis à desejada recuperação de Portugal!
Os roubos permanentes a que os portugueses são sujeitos, da parte dos que deviam
protegê-los e prover pelo seu bem-estar estão a destruir a esperança no futuro!
A ausência de uma justiça igual para todos provoca o descrédito do que deveria ser
um Estado de Direito!
Os detentores do poder assumem-se, cada vez mais, como herdeiros dos vencidos
em 25 de Abril de 1974!
As desigualdades, consumadas no aumento do enriquecimento dos que já têm tudo e
no cada vez maior empobrecimento dos mais desfavorecidos, transforma a nossa
sociedade num barril de pólvora que apenas será sustentável numa nova ditadura
opressiva, com o desaparecimento das mais elementares liberdades.
O medo, pelo futuro, cada vez mais, propaga-se em variados sectores da sociedade!
Como há já alguns anos, manifestamos a nossa indignação face aos acontecimentos
que se estão vivendo em Portugal e configuram, sem a menor dúvida, um enorme e
muito grave descrédito dos representantes políticos, um logro à confiança dos
cidadãos e um desprestígio para o nosso País.
A Democracia baseia-se num pacto social, onde os cidadãos elegem os que
consideram os mais indicados para gerir os assuntos públicos e para os representar
durante um período de tempo previamente acordado.
A Democracia não é, nem pode ser jamais, a concessão a uns quantos de uma
patente de pilhagem para se enriquecerem durante quatro anos ou mais!
A Democracia tem o seu fundamento na confiança que os representados têm nos
seus representantes e na lealdade destes perante quem os elegeu.
Quando essa confiança é traída e essa lealdade desaparece, o prestígio e a
legitimidade moral da classe política desmoronam-se e o cimento da Democracia
apodrece.
Tudo isto tem-se agravado, cada ano que passa.
Porque continuamos a considerar que a antecâmara do totalitarismo surge quando
num Estado de Direito a classe política perde o seu prestígio, porque se transforma
numa espécie de casta que deixa de servir os interesses de todos para servir apenas
os seus próprios interesses.
E, porque queremos lutar pela manutenção da Democracia, que apenas será viável
pela reafirmação dos valores de Abril, proclamamos a imperiosa necessidade de:
Assunção de um compromisso nacional na defesa e manutenção do Estado Social
que legitimamente satisfaça as necessidades básicas, erradique a pobreza “vergonha
de nós todos”, e abra um caminho de esperança e de luz para o sector mais
desprotegido da sociedade portuguesa que lhe possibilite o acesso à formação,
educação e emprego.
Assunção de um compromisso nacional para a promoção de um duradouro programa
de educação e investigação científica, para qualificação dos jovens nas áreas
fundamentais da globalização.
Assunção de um compromisso nacional para a promoção de um programa duradouro
do sistema judicial, de forma a tornar a justiça mais célere e mais próxima dos
cidadãos, sem descriminação entre pobres e ricos.
Assunção de um compromisso nacional duradouro de um programa de emprego
agregador e integrador dos vários saberes e competências acumuladas, que incentive
o regresso de milhares de “cérebros” forçados à emigração, que incorpore jovens
licenciados, agregue adequados programas de formação para jovens que
abandonaram os estudos, e para trabalhadores activos que necessitem actualizar e
melhorar saberes e competências.
Assunção de um compromisso nacional e duradouro de um programa de
desenvolvimento económico sustentável à adopção dos objectivos enunciados para a
manutenção do Estado Social e dos programas de educação, justiça e emprego.
O governo e a cobertura que lhe é dada pelo Presidente da República protagonizam
os fautores do “estado a que isto chegou” razão pela qual não serão eles a quem
possa continuar a confiar-se os destinos de Portugal.
Torna-se, por isso, urgente uma ampla mobilização nacional para sermos capazes de
aproveitando as armas da Democracia mostrar aos responsáveis pelo “estado a que
isto chegou” um cartão vermelho, que os expulse de campo!
Temos de ser capazes de expulsar os “vendilhões do templo”!
Os desmandos e a tragédia da actual governação não podem continuar!
Igualmente, temos de ser capazes de retornar às Presidências de boa memória de
Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio!
O 25 de Abril foi libertação e festa, passou por participação e desenvolvimento, mas
passou também por retrocesso e desilusão, fruto da corrupção e esbanjamento.
Hoje sofre revanchismo, roubo e destruição.
Que se consubstancia em despudorados ataques à saúde pública, à educação, à
segurança social, ao direito ao trabalho, ao direito a uma velhice sossegada, e aponta
para o fim das liberdades, da soberania e da democracia.
Temos de ser capazes de ultrapassar os sectarismos, temos de ter a capacidade de,
contrariamente ao que normalmente acontece, e reconhecer o inimigo comum, mesmo
antes de sermos totalmente derrotados.
Vencendo o conformismo, temos de ser capazes de resistir de novo, reconquistar as
utopias, arriscar a rebeldia e renovar a esperança!
Recolocados os valores da madrugada libertadora, nessa altura, vencido o medo,
poderemos então retomar a esperança de continuar a construir Abril!
Viva Portugal!
Viva o 25 de Abril!
25 de Abril de Abril de 2014
Associação 25 de abril


Lucros do Facebook triplicam até Março e atingem 642 milhões de dólares

Receitas de publicidade móvel crescem 82% e fazem disparar ganhos da rede social, que já tem 1280 milhões de utilizadores.
MIGUEL MADEIRA
O Facebook registou um resultado líquido de 642 milhões de dólares (aproximadamente 465 milhões de euros) no primeiro trimestre, triplicando os números obtidos no mesmo período do ano passado. Os resultados divulgados na quarta-feira superaram as estimativas dos analistas e reflectem o crescimento das receitas de publicidade, que dispararam 82%, para 2270 milhões de dólares (1642 milhões de euros).Quase dois terços destas receitas (59%) são já provenientes da aplicação móvel do Facebook, um dado que é atentamente monitorizado por investidores e analistas pois quando a empresa entrou em bolsa, em Maio de 2012, o contributo desta aplicação para o volume de negócios era incipiente.
As receitas totais da rede social fundada por Mark Zuckerberg atingiram 2502 milhões de dólares (1810 milhões de euros), acima do valor médio esperado pelos analistas contactados pela Bloomberg, que era de 2300 milhões de dólares (1665 milhões de euros). O Facebook tem mais de 1280 milhões de utilizadores activos e, destes, mais de 1000 milhões usam a aplicação móvel.
Este é um caminho que a empresa quer liderar. Na segunda-feira foram conhecidos os planos do Facebook para lançar a sua própria rede de publicidade para dispositivos móveis, através de uma plataforma onde pretende dar a conhecer aos anunciantes ferramentas de publicidade, principalmente aplicações para móveis. Segundo a imprensa norte-americana, esta plataforma deverá ser oficialmente lançada na próxima semana.
A revista Wired escreve que o Facebook “provou que é o futuro da publicidade móvel” e cita dados de um relatório da fabricante de software Adobe, que apontam para um aumento de 70% dos cliques em anúncios no Facebook. Ainda que só 40% dos anúncios tenham efectivamente sido visualizados aWired diz que os números provam que a rede de Zuckerberg desenvolveu “uma certa habilidade para apresentar anúncios que as pessoas estão efectivamente interessadas em ver”.
Por isso, apesar de rivais como a Google também operarem as suas próprias plataformas de publicidade, o Facebook tem uma posição única para captar as atenções dos consumidores, gerindo anúncios em funções da idade, do sexo, da localização geográfica, dos interesses e actividades e de todas as pesquisas realizadas na Internet pelos seus utilizadores. Assustador para alguns, um negócio de muitos milhões para o Facebook.
As mudanças que se vivem na empresa também passam pela equipa de gestão. A companhia aproveitou a apresentação de contas para anunciar a saída do administrador financeiro David Ebersman, que estava na empresa há cinco anos e será substituído pelo actual vice-presidente, David Wehner, a partir de 1 de Junho.
http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/lucros-do-facebook-triplicam-ate-marco-e-sobem-para-642-milhoes-de-dolares-1633424

quarta-feira, 23 de abril de 2014


A geração “cama, mesa e roupa lavada”

É um fenómeno que está a ganhar expressão no mundo Ocidental, e muito especialmente nos países do sul da Europa, Portugal incluído. Os jovens adultos vão adiando a saída de casa dos pais até cada vez mais tarde. Seja porque estão cómodos e não vêem desvantagens, seja porque são trabalhadores precários ou não encontram trabalho. Com a crise, a “geração canguru” está para ficar.
No Reino Unido estes jovens que ficam em casa dos pais até bem depois dos 30 anos são apelidados de mummy boys e em Itália de mamoni. Qualquer coisa como “filhinhos da mamã”. Estima-se que em Itália cerca de 70 por cento de homens (e cerca de 35 por cento de mulheres) com 29 anos vivem com os pais.
O fenómeno não é novo. Em França estes jovens que vão adiando a saída do ninho materno dão pelo nome de “geração Tanguy”. O nome caiu no goto dos franceses na viragem do século depois da estreia de um filme chamado “Tanguy”, o nome de um jovem adulto de 28 anos que se arrasta - de forma egoísta e mimada - pela casa materna até que os pais se unem para o expulsar.
Genericamente em Portugal costuma-se designar esta juventude que adia a sua emancipação por “geração canguru”; aquela que se mantém dentro da bolsa marsupial representada pelo conforto físico e emocional de casa dos pais até idades tardias.
Há vários motivos para os jovens se arrastarem pela casa paterna até aos 30 anos (e mais). Antes de mais porque estão confortáveis e porque sabem que podem contar com o apoio emocional e financeiro dos pais. Têm “roupa, mesa e cama lavada”. Se, paralelamente, os jovens têm pais pouco intrusivos e ainda conseguem ter uma fonte de rendimento, esta situação pode arrastar-se durante anos.
Manuel Peixoto, terapeuta familiar e de casal, enumera ao Life&Style os vários motivos que poderão estar por detrás desta opção de vida: “Em primeiro lugar é preciso assinalar que a fase da adolescência se prolonga até mais tarde e, por outro, que os pais mantêm a vida activa e têm maior longevidade. Não havendo grandes pressões, as coisas vão-se arrastando, naturalmente. Por outro lado, a fase de estudos também se prolonga [os jovens fazem mestrados, doutoramentos e pós-doutoramentos] e há muitos jovens que, depois dos estudos, não arranjam emprego”.
Se juntarmos a estes factores a actual crise económica, a precariedade laboral entre os mais jovens [a “geração à rasca”] e o facto de os pais portugueses tolerarem bem esta situação, sem grandes exigências, isso ajuda a explicar que o fenómeno esteja a aumentar também em Portugal.
Estas situações são, aliás, mais comuns nos países do sul da Europa. Porquê? “Porque somos mais pobres”, responde Manuel Peixoto. “Nos países do Norte da Europa, a regra é que os jovens saíam todos de casa aos 18 anos. Nos países Mediterrânicos a noção de família é muito mais forte. São resquícios de uma sociedade pouco desenvolvida na qual há grande necessidade de uma rede de apoio familiar”.
Perante esta perpetuação dos filhos no lar paterno, os pais têm sentimentos ambivalentes. Por um lado entendem que o ciclo natural da vida é que os filhos de tornem independentes e estabeleçam as suas próprias famílias, mas por outro lado, egoisticamente, ficam felizes por manterem os filhos em casa.
Para estes jovens, manter uma vida sexual activa pode ser um desafio. Como encaixar uma namorada/namorado numa fase mais madura da vida num espaço partilhado com progenitores? Manuel Peixoto explica que é cada vez mais comum os pais aceitarem que os filhos tragam para casa os seus parceiros sexuais. “Há muita tolerância por parte dos pais. Muitos deles dizem: ‘É melhor assim’”, indica o terapeuta.

Os boomerangs  e os sanduíches

Esta “geração canguru” - tipicamente aqueles que nunca saíram de casa dos pais, ou se saíram foi por curtos períodos - coexiste com uma outra geração que dá pelo nome de “geração boomerang”. Como o nome indica, este é o movimento de regresso dos filhos à casa dos pais depois de já se terem emancipado. Este tipo de situações pode ocorrer, por exemplo, se o filho perde o emprego ou se divorcia. Neste caso, ao contrário do fenómeno assinalado como “síndrome do ninho vazio” (ver texto nesta secção), aqui estamos perante um fenómeno a que os americanos chamam de “crowded nest syndrome” (síndrome do ninho cheio), especialmente se os filhos regressam a casa dos pais com os respectivos filhos.
O terapeuta Manuel Peixoto regista ainda a existência de uma “geração sanduíche”, que é aquela que fica “ensanduichada” entre duas gerações: a dos filhos e a dos pais, que entretanto envelheceram e precisam de cuidados. Em casos em que os adultos responsáveis vivem na mesma casa dos idosos e das crianças, podem ocorrer situações de stress emocional muito violentas. “Pode haver episódios de raiva face às pessoas de quem se gosta graças ao enormestress emocional que se gera”.
Nestes casos, o terapeuta alerta para a necessidade de consulta psicológica e para a importância de se encontrarem maneiras de, periodicamente, essestress emocional ser aliviado.
http://lifestyle.publico.pt/artigos/290712_a-geracao-cama-mesa-e-roupa-lavada/1